domingo, 26 de junho de 2022

A história da música


A música é uma das linguagens artísticas universais mais antigas que possuímos, pois desde o período dos homens das cavernas o som era produzido. Apesar da música ser uma organização que se trabalha com a harmonia entre os sons, ritmo, voz e melodia, os sons desorganizados foram o ponto de partida para o que temos hoje.

Pré-História

A sonoridade nesse período começou com a observação de fenômenos naturais como trovões, o balançar das folhas das árvores, o canto das aves, etc. Assim, nossos antepassados passaram a explorar a sonoridade que seus próprios corpos produziam como os pés batendo no chão, palmas e a voz. 

Egito

A música no antigo Egito era algo muito presente e com grande simbologia religiosa, eles acreditavam ser uma invenção do deus Thoth, onde Osíris utilizou para civilizar o mundo.
A música, na época, era utilizada para completar rituais sagrados de colheita, a harpa, a flauta e instrumentos de batuque e chacoalho eram os mais utilizados para a realização deste ato.

China e Índia

A música ganhou força nesses dois países no período de 3.000 a.C., acreditava-se que ela possuía forte conexão com a espiritualidade.
O instrumento mais famosos entre os chineses era a cítara, onde se utilizava a escala de cinco tons (pentatônica).
Na Índia, no período de 800 a.C., o método utilizado se chama Ragas que era composto por tons e semitons.

Grécia e Roma

Na antiga cultura Grega, semelhante ao Egito Antigo, a música era uma espécie de ponte entre deuses e mortais.
Muitas das artes presentes na cultura romana deriva da cultura grega, porém com a música os romanos utilizavam dela de forma cotidiana e ampla.
Um nome importante para este período da música foi o filósofo Pitágoras, que por meio de estudos juntando matemática e música, descobriu as notas e os intervalos musicais.

Idade Média

No período da Idade Média, a igreja católica possuía grande poder e influência na sociedade. E a música foi um grande instrumento em seus cultos , tanto que o Papa Gregório I criou algumas regras para um canto específico para as missas e assim foi chamado o canto gregoriano, uma peça muito importante para a história da música.


As notas musicais

Ainda na Idade Média, um monge francês chamado Guido de Arezzo organizou o sistema de notação musical como ele é conhecido hoje, como uma forma de facilitar a aprendizagem de quem estudasse.
Assim, Arezzo se aproveitou de um canto em louvor a São João Batista, o famigerado Canto Gregoriano:

“Ut quant laxis / Resonare fibris / Mira gestorum / Famuli tuorum / Solve polluti / Labii reatum / Sancte Iohannes”

Traduzindo para nossa língua:

“Para que teus servos / Possam, das entranhas / Flautas ressoar / Teus feitos admiráveis / Absolve o pecado / Desses lábios impuros / Ó São João”

Arezzo analisou as iniciais de cada verso e sua sonoridade, formando assim as notas, que inicialmente formatado desta maneira:

Ut - Ré - Mi - Fá - Sol - Lá - Si

O "Si" foi uma junção de  "Sancte Iohannes" e o "Ut" foi trocado por "Dó" apenas no século XVII por uma revisão do sistema.

Renascimento

Esse período foi marcado pelo desejo da separação dos costumes católicos e pela caça da ciência e da razão. A música também sofreu um impacto refletindo a linha de pensamento da época, uma característica marcante para a música foi a polifonia onde vários sons estão presentes em uma só canção, por exemplo a combinação de mais de um tom de voz em uma música.

Barroco

O período Barroco na música trouxe uma reforma, adicionando os contornos tonais dos modos jônico (tons maiores, exemplo: C) e eólio (tons menores, exemplo: Cm). A época também foi marcada por óperas e orquestras de câmaras.

Classicismo

Essa é uma das épocas mais famosas no mundo da música, marcada pelo protagonismo de orquestras e músicas instrumentais, além da criação de novas estruturas musicais como as sonatas, sinfonias, concertos e quarteto de cordas.

Romantismo

Essa fase da música ainda carrega um pouco do Classicismo, porém com maior intensidade e sentimentalismo.

Século XX

Esta é a época mais próxima da nossa, onde já era possível a música ser gravada graças a tecnologia, os concertos foram perdendo sua força para as rádios e vários outros tipos surgiram.
A época foi marcada pela presença de músicas atonais (não tem um tom único) e as músicas dodecafônicas (que equivale as doze notas da escala cromática). Além de experimentos com objetos que produzem som, sem ser um instrumento musical, como copo d'água, moedas, etc.

Esse foi apenas um breve resumo sobre a trajetória de uma das formas de arte mais consumidas e amadas do mundo.




@BrasilEscola
@TodaMatéria

Gostou do post? Você pode se interessar por esses itens relacionados:




domingo, 19 de junho de 2022

O que eu detesto na indústria cinematográfica


O cinema, hoje em dia, é um dos maiores veículos de entretenimento e comunicação que temos. Apesar de pouco a pouco ser substituído por grandes aplicativos e sites de streaming, ele ainda não está extinto.

E como um veículo gigante, muitos profissionais da área utilizam desse poder para pintar e bordar, envenenando a indústria. Isso vale desde a construção de um personagem até os abusos que ocorrem no set de filmagem, quais muitos ainda não sabemos. E como uma pessoa que almeja trabalhar com cinema, é triste ver algo que você ama e acredita sendo corrompido e passando adiante mensagens falsas e pejorativas.

Uma das coisas que mais me deixa angustiada nos filmes de Hollywood é o fato de não haver miscigenação. Claro que isso é muito mais visto no Brasil por sua grande diversidade, mas não se limita apenas aqui. E quando vejo em um filme pais que possuem uma cor de pele diferente do filho eu fico animada, mas logo vem a quebra de expectativa. Porque, na maioria das vezes, ou a criança é adotada ou é fruto de uma traição, e eu fico me perguntando: "onde fica a diversidade?".

Algo que foi uma luta, e ainda é na indústria cinematográfica, é a representatividade de minorias. Pouco a pouco, pessoas LGBT's+, negras, asiáticas, neurodivergente, etc. estão ganhando espaço nas telas. Porém, nem sempre uma representatividade boa. Vou utilizar o filme Fragmentado como exemplo, um homem com 21 personalidades diferentes é o responsável por cometer crimes em pró de uma ideologia sobre o que chamam de "a Besta" ou "a Fera" que seria uma outra personalidade, que possui poderes sobre-humanos. E a culpa de cometer tais crimes é justamente de quem? Exato, de outras personalidades. O filme junta realidade e ficção em cima de uma condição neurológica real, e diversos profissionais da área e pessoas com TDI se mostraram pouco satisfeitos com o enredo do filme, justamente por isso.

Ainda retratando o tópico representatividade, pessoas realmente surdas, cadeirantes, cegas estão em falta nos elencos dos filmes. Sempre são chamados atores perfeitamente saudáveis para interpretar essas pessoas, há apenas algumas poucas exceções como nos filmes "Baby Driver" (2017) e em "Eternos" (2021) onde chamaram atores com as reais condições de seus personagens.

Puxando um fio de "Eternos", um de seus maiores pecados foi colocar brasileiro falando espanhol. Quando o grupo vai parar na Amazônia atrás de Druig, o mesmo pergunta algo ao grupo atrás dele e um dos homens responde em espanhol (sim, isso me deixou full pistola, porque muitas pessoas de fora acham que falamos espanhol).

Algo muito comum quando se faz uma cinebiografia é incrementar uma mentirinha aqui outra ali, porém em algumas mudam totalmente o rumo da história. Dois grandes exemplos disso foram as cinebiografias "Rocketman" (2019) e "Bohemian Rhapsody" (2018). Uma cena super dramática em Rocketman foi o cancelamento do show na Madison Square Garden em 1984 onde ele cancela o show minutos antes e parte para a clínica de reabilitação com fantasia e tudo. O que realmente ocasionou o cancelamento do show foi uma gripe forte, e não a "queda da ficha", além de Elton John ir para a clínica apenas em 1990. Agora Boh Rhap se tornou uma ordem cronológica super desorganizada. Como por exemplo a composição de "We Will Rock You", no filme aparece lá pros anos 80 e a música foi composta e lançada originalmente em 1977 no "News of the World". Apesar de algumas mentirinhas desses filmes, são produções fantásticas.

Os maiores problemas dessa indústria são a ganancia e as passadas de pano quando alguém do ramo faz polêmica, além de focarem demais naquilo que o público quer e muito pouco naquilo que o público precisa. Porque o que eu mais percebo é que eles não se preocupam muito em fazer uma história boa, eles querem apenas vender sem se importar com as massas, no caso nós.


domingo, 12 de junho de 2022

Os casais mais queridos do público



Hoje é o dia em que os casais se preparam pra saírem juntos, pedidos de namoro ou casamento são feitos e o dia em que os tímidos apaixonados ainda pensam em se declarar para o famigerado "Crush". Pra quem está solteiro é apenas um dia comum, pois ninguém teve o talento para roubar sua atenção (eu por exemplo vou passar o dia vendo comédia romântica e comendo pipoca. Melhor coisa óbvio).

Então, em homenagem a esse dia em que o amor rola solto, iremos listar os casais que nós, fãs adoramos ou adoraríamos ver juntinhos nas telonas.


Ravena e Mutano


Eles são o típico casal: a garota séria e mau humorada e o cara que faz graça e irrita a garota séria. Apesar de pouco mostrar o relacionamento dos dois, eles são um casal oficial da DC graças a insistência do Mutano, que quem assiste ou assistiu sabe como ele perturbou a Ravena que acabou cedendo e se apaixonando pelo jeito desengonçado e engraçado do nosso querido verdinho.

Arlequina e Hera Venenosa


Um dos poucos relacionamentos saudáveis de Arlequina foi com Hera, relação qual começou com uma amizade na série animada de 1993 do Batman. São o típico casal: a que adora uma aventura e a que vai na onda só pra ficar de olho caso dê ruim.

Pepper e Tony


Eu não posso (em hipótese alguma) fazer uma lista sobre casais e não colocar esses dois. Mesmo se você não gosta do Tony, não há como negar que ele e Pepper são sim um dos melhores e queridos casais do Universo da Marvel. São o casal formado pelo: "você não vai e ponto final" e a "eu não só vou como já estou indo"

Peter Quill e Gamora


Não é novidade para ninguém que esses dois são um casal icônico e que na primeira aparição caiu nas graças do público. É aquele casal onde um é full emocionado e a outra prefere ir com calma, e essa diferença faz com que diversas cenas cômicas sejam criadas entre os dois.


Rony e Hermione


Os queridinhos dos fãs de Harry Potter, o casal mais esperado para ser visto nas telas do cinema e claro um dos mais fofos também. Esse casal é o típico: o que precisa de carinho 100% do tempo e a que está sempre ocupada fazendo alguma coisa.


Tina e Newt


Ainda falando dos casais do Wizarding World, Newt e Tina foram muito bem acolhidos como casal em potencial no filme pelos fãs do mundo bruxo, e sinceramente um casal super fofo (mas cara 3 filmes e nenhuma bitoquinha, bota o cropped e reage, Newt). Pelo processo lento, eles são o típico casal onde os dois se gostam, mas o amor deles é do tamanho da timidez... enorme!


Kylo e Rey


Tá bom, mas esse casal aqui deixou a gente esperando um bom tempo até dar um beijo pra no fim dar o que deu (ai ai viu). São o casal onde o amor e o ódio andam lado a lado, estão sempre discutindo tentado convencer um ao outro, mas depois de muito insistir se resolvem.

Crowley e Aziraphael


Esse é um casal maravilhoso, porém pouco conhecido. Para os fãs de Good Omens, Neil Gaiman ou os atores principais, Crowley e Aziraphael são o "casal" mais controverso possível, principalmente pelo fato de serem um anjo e um demônio e por não serem necessariamente um casal (mesmo se gostando). Eles são o: "Não gosto de você" e o "estamos juntos há tantos anos, tem certeza?".

Jane (11) e Mike


Nãaaao, sinceramente. Olha esses dois. Fofos demais, não tem como não gostar desses dois juntos. São o casal onde os dois são tímidos, mas a menina que toma iniciativa.

Nick e Charlie


Eles se tornaram um dos maiores queridinhos da Netflix, que adaptou o livro dessa história maravilhosa desse casal super fofo. Eles são o casal em que se um gosta de algo o outro vai tentar entender o porque gosta daquilo pra ter algo a mais para fazerem juntos.

 Alice e Jasper


Esse casal aqui roubou a cena em Crepúsculo e se tornou o favorito do público ao invés do casal protagonista (achei foi pouco). Esse é o famoso casal Golden Retrivier e gato preto, a garota super energética e o cara mais quieto na sua.

Mortícia e Gomez


Pra mim esse é o casal que conquista qualquer pessoa de qualquer época. Com seu jeito sombrio e apaixonante, é o casal onde o homem endeusa sua amada e a mulher o eleva sempre (de uma forma um pouco exagerada, porém encantadora).

Qual tipo de casal você e sua pessoa amada seria? Comenta aí e aproveitem o dia como nunca.

Gostou do post? Você pode se interessar por esses itens relacionados:




domingo, 5 de junho de 2022

Algumas falhas de Os Segredos de Dumbledore

Há alguns meses foi lançado o filme que boa parte do fandom de Harry Potter contava os dias para assistir. Os Segredos de Dumbledore trouxe um enredo bom, porém houveram diversos momentos em que é notável certo relaxo na trama e materiais que foram esquecidos e até mesmo que não foram bem aproveitados. 


Lembrando que o post haverá spoilers do filme



O sumiço de Nagini


Em "Os Crimes de Grindelwald", somos levados a Nagini, personagem conhecida de início na saga Harry Potter, onde descobrimos que no passado ela era uma Maledictus (mulher com maldição de sangue) e, devido essa condição, vivia como atração de um show de horrores, onde ela conheceu Credence (ou Aurélio) e passam a compartilhar interesse um pelo outro.  Porém em um ato desesperado em busca de sua identidade Credence se alia a Grindelwald, deixando Nagini.
No fim do mesmo filme, Nagini aparece junto a Newt, Teseu e os outros na ponte de Hogwarts, porém em "Os segredos de Dumbledore" ela misteriosamente some e sequer a mencionam no filme, deixando apenas na nossa imaginação o que aconteceu com ela.


 Varinha de Jacob


No próprio trailer mostra que Jacob Kowalski recebe uma varinha para a missão atual, o que confunde muita gente é o fato dele ser um trouxa, sendo assim não possui sangue mágico. A varinha funciona apenas pelo fato de Jacob não estar a controlando e sim a professora Hicks.
Porém, há uma teoria da própria criadora do universo mágico que diz que, apesar de ser um caso raro, um bruxo pode manifestar poder muito tempo depois de seus 11 anos de idade, e possivelmente esse é o caso de Jacob Kowalski.

O Pacto de sangue


Sabemos que em sua juventude, Alvo e Grindelwald fizeram um pacto de sangue onde eles não poderiam lutar contra o outro. E ao fim do filme, esse pacto é desfeito, o que não ficou muito claro foi como. Porém, vendo alguns vídeos explicativos, o que fez o pacto ser quebrado foi o mesmo motivo que o levou a fazê-lo: amor e sacrifício. Pois foi a paixão cega de Alvo por Gellert que ele decidiu fazer esse pacto e na cena do templo onde Grindelwald tenta atacar Aurélio, Alvo e Aberford se juntam para contra atacar o feitiço da morte lançado, sendo assim um ato de amor e sacrifício.
Apesar de ter uma sacada genial e uma referência ao sacrifício de Lilian por Harry, ainda levanta diversas questões sobre o pacto de sangue.

Aurélio Dumbledore


Credence ou Aurélio agora conhece sua origem, de onde veio e quem é seu pai. Porém, nós estamos falando de um mundo mágico e essa origem do personagem me pareceu muito banal, claro foi ótimo conhecer um pouco mais sobre Aberford, seu relacionamento com Alvo e saber que ele possui uma bagagem, mas acho que há algo que seria ainda mais empolgante de ser visto no cinema.
Uma teoria muito famosa na internet chamou minha atenção e pensei: "por que não comentar no post de Animais Fantásticos?". Essa teoria parte da tentativa de Alvo Dumbledore e Nicolau Flamel de trazerem Ariana Dumbledore de volta a partir de um homunculo feito do obscurial da irmã de Alvo e Aberford, na qual acabou gerando Credence.
Eu acho que seria um fanservice muito bem feito e um material váldo para usar no filme.

Apesar deste e outros detalhes no filme, foi super empolgante ver toda essa turma desse universo em uma nova aventura. Espero que, apesar das críticas, haja continuações dessa saga, pois a batalha final entre Dumbledore e Grindelwald acontece apenas em 1945 e Os Segredos de Dumbledore se encerram em 1930. Então, são 15 anos desse período e muita água está pra rolar.

Gostou do post? Você pode se interessar por esses itens relacionados: